Sporting... sempre!

Esforço, dedicação, devoção e glória!

Sunday, May 22, 2005

.
Taça Uefa

O Sporting perdeu uma final de sonho.
Perdeu e perdeu bem, porque não teve pernas, nem engenho para vencer o CSKA, que jogou aquilo que sempre prometeu.
Conseguiu-se uma óptima primeira parte (surpreendente!), fruto do refrescar das alas, e da exibição convincente de Roca.
Mas não houve fôlego para a 2ªparte, e isso foi evidente.

Peseiro poderia ter colocado ao intervalo Custódio, para segurar o meio-campo, mas isso iria contra o habitual de Peseiro.


O Sporting teve algum azar (bola incrível no poste!), mas o futebol é feito de sorte e de azar, tal como aconteceu na vitória inesquecível em Alkmaar...

Foi pena não haver soluções válidas no banco, mas a realidade do Sporting neste último mês foi bem diferente do que aconteceu nos meses anteriores.

Depois desta grande aventura, fica a certeza de que o Sporting pode ser competitivo na Europa, e aqui ficam os meus parabéns pela óptima caminhada, que não se pode esquecer, mesmo com a derrota na final.

Realce-se ainda a postura do público que aplaudiu vencedores e vencidos, sem excepção, mostrando fair-play exemplar e digno dos grandes campeões.

E para o ano há mais, muito mais!



Sporting Sempre!

Wednesday, May 18, 2005

.
Taça Uefa

Chegou o dia. Joga-se hoje o momento mais importante e decisivo do Sporting nos últimos 40anos.

Quer se queira, quer não, é incomparável a importância deste título internacional, face a títulos nacionais.
Embora o prazer não vá ser maior do que vencer o campeonato nacional em casa do eterno rival, esta partida encarna uma importância capital.

Espera-se que a equipa entre bem no jogo, que lute e pratique bom futebol, que tenha alguma sorte e que a arbitragem de Poll seja imparcial e isenta.

E que no final Portugal inteiro possa festejar uma vitória memorável.

Força Sporting!


P.S. – Como sei que o Peseiro é leitor assíduo deste blogue aqui fica uma dica para o 11 inicial: Ricardo, Rogério, Beto, Polga, Jorge; Custódio, Rochemback, Moutinho, Barbosa: Sá Pinto e Liedson. E que Liedson marque o golo da confirmação lá para meio do segundo tempo…

.
Os culpados

A grande maioria dos jornais, desportivos e não só, a maioria dos blogues, as rádios e os comentadores do nosso País rapidamente encontraram os culpados da derrota do Sporting na Luz.
Espantados com a forma como a melhor equipa (e plantel!) nacional perdeu com o Benfica, mesmo num jogo equilibrado, e como que achando que o Sporting tinha OBRIGAÇÃO de vencer, os culpados foram Ricardo (pelo golo sofrido!), Liedson (pelos golos que não fez devido a um castigo desnecessário!) e Peseiro (o homem que ousou por em questão a opinião de milhares de críticos que não vão à bola com ele!).
Aliás, para muitos Peseiro é o homem das derrotas. Nas vitórias aparecem os jogadores, os goleadores, o público, o gestor do futebol, a Nossa Senhora de Fátima e quem mais houver, mas nas derrotas é Peseiro quem mais ordena!
Não morro de amores por Peseiro, nunca morri, mas penso sinceramente que é um bom treinador! Não é Mourinho nem Eriksson, mas não se pode pedir demais!
Honestamente não me lembro de o Sporting apresentar um futebol tão agradável desde os tempos de Mirko Jozic. E isso deve-se também a Peseiro.
Quanto a Ricardo, acredito que pudesse ter feito melhor no lance do golo. Acredito até que seria natural ter sofrido golo quando Simão lhe apareceu pela frente, isolado, mas aí esteve muito bem. O que eu sei é que Ricardo tem sido desde há umas semanas o melhor jogador do Sporting, de longe! Se com muita sorte se venceu o Alkmaar, em Alvalade e na Holanda, a ele se deve! Se houve capacidade de dará volta ao Newcastle, foi Ricardo que a começou, ao evitar por 2 vezes o 2-1 dos ingleses! Se a 2ªequipa do Sporting venceu em Braga, foi porque Ricardo defendeu com mestria um golo feito aos 10min do encontro! E podia continuar…
Já Liedson é um caso ainda mais paradigmático! Ninguém pode garantir que com ele o Sporting não tivesse até sido goleado na Luz! Sem ele ficou teoricamente mais frágil, mas não acredito que alguém mais do que Liedson quisesse ficar positivamente ligado ao título nacional.

Como comparação, seria justo acusar Simão (em má forma há meses!) de ser o principal culpado de um título que poderia não ter acontecido?

Será justo afirmar que Baía, que teve 4 ou 5 jogos muito infelizes, foi o principal culpado pela perca do título pelo FCPorto, ele que esteve em grande plano em muitos dos jogos, e conquistou, quase sozinho vários pontos? Ou Benny, que foi meia-equipa durante boa parte da época, e depois se perdeu em agressões? Terá sido por ele que o FCPorto não venceu o campeonato?

E como será amanhã, se Ricardo ou Liedson forem decisivos pela positiva? Passarão de vilões a heróis, sem mais nem menos?

Assim espero!

Saudações LeoninaS!

.
Esclarecimento

Foi-me perguntado por vários leitores aqui do blogue porque não referi como mal assinalada a falta que dá origem ao único golo da partida.
Fi-lo por duas razões.
Em primeiro porque num jogo são assinaladas erradamente várias faltas, e há a tendência para se enfatizar as que originam golos. Volto a afirmar que a arbitragem me pareceu equilibrada, e que Paraty acabou por ser infeliz ao errar num lance que acabou por ser vital no jogo. Mesmo assim em nenhum momento me pareceu que Paraty tivesse intenção de encostar o Sporting à sua baliza, ou potenciar o golo encarnado de bola parada.
Em segundo porque me recordo bem da última meia-dúzia de jogos do Benfica e sei bem diferenciar esta arbitragem das palhaçadas feitas em jogos como contra o Leiria ou o Estoril. Não me pareceu justo incluir Paraty (de quem até nem gosto particularmente!) no mesmo saco de meia-dúzia de árbitros subservientes da instituição.
Espero ter-me feito entender!

Tuesday, May 17, 2005

.

SIC Notícias

Como faço habitualmente, também ontem vi com atenção o programa desportivo da Sic Notícias. Mais divertido do que o habitual, com arrufos constantes entre Fernando Seara e Dias Ferreira, deu para tirar várias ilações do jogo.
Primeiro foi possível ver uma imagem clara, em fotografia, onde é claro o contacto de Luisão com Ricardo. A imagem mostra claramente os corpos juntos, em perfil.
Em segundo foi possível confirmar que o que as Leis do Jogo dizem é que qualquer contacto com o GR, feito dentro da pequena área, é merecedor de infracção.
Em terceiro, foi possível perceber o mal-estar dos ‘Fundamentalistas’ em relação as declarações de uma das figuras do ‘Manifesto’ proferidas no final do derby.
Em quarto, foram feitos comentários em relação à arbitragem de Pedro Proença no VSC-BFC, que redundou na expulsão de dois titulares axadrezados, mais uma derrota que afastou o Boavista de lutar pelo que quer que seja na última jornada.

Aproveito no entanto para reiterar que a arbitragem de Paraty não me pareceu de forma nenhuma parcial ou tendenciosa, para que o Benfica saísse vitorioso.

Ao Quetzal, esse lampião de primeira linha (todos temos defeitos!):


Não me espantaria que Beto visse vermelho na entrada sobre Assis.
Paraty poderia ter mostrado 2º amarelo a Beto, aquando dos protestos, e estou bem consciente disso.
Se Pinilla foi incitador de violência e Simão respondeu na mesma moeda, por que não expulsou Paraty os dois? Ou todo o banco do Sporting?

Simão nunca foi criticado pelo Sporting até proferir declarações infelizes sobre o clube que o formou (mal!). Ainda teve vários dias para se retractar, sem por em causa o profissionalismo que é esperado em relação ao Benfica, mas optou pela clivagem! Não desejo que parta as duas pernas (pelo menos ao mesmo tempo!) mas não me preocuparei muito se tal acontecer…
Aliás, basta ver a relação que Maniche tem e sempre teve com o Benfica, para ver as diferenças de formação dos dois jogadores, com a agravante de Simão não ter nunca razões de queixa do Sporting, e de Maniche ter muito de que se queixar!

Saudações

Monday, May 16, 2005

SuperLiga

Jornada 33

SLBenfica 1 – 0 SportingCP


O Benfica saiu vitorioso no derby de sábado, sentenciando assim aquilo que muitos, dadas as evidências, proclamavam há semanas – o título está ao virar da esquina do Bessa!

Num jogo fraco, mas equilibrado, mal jogado mas de entrega, bem apitado mas polémico, saiu vencedor o mais afortunado. Muitas vezes a sorte é de quem a procura, mas desta vez nem foi necessariamente assim, pois pouco se fez pela sorte.

Sendo impossível de dissociar a final da Uefa deste jogo, a cabeça dos leões estava noutro campeonato. Peseiro foi inteligente o suficiente para perceber isso mesmo, e fez os possíveis para equilibrar o barco. Faltou um golo para a noite ter sido perfeita.
Do lado encarnado foram visíveis as dificuldades de toda uma época. O plantel é curto (fraco?) e não dá para mais. Mesmo levado ao colo em jornadas consecutivas o Benfica deixou a questão para o derby e por pouco não perdeu o mais desejado título do país, e logo para o rival.

Paraty não foi para mim a melhor escolha, mas não foi necessariamente uma má escolha. O árbitro do Porto, que trabalha em Braga, tem melhorado muito nos últimos anos, é do melhor que temos no país, embora isso aconteça porque não temos ninguém verdadeiramente bom a arbitrar no nosso país.
O melhor árbitro (e para isso conta muito o facto de não se deixar afectar psicologicamente) é Pedro Henriques, com os devidos exageros no ‘deixar’ correr do jogo.
As outras duas figuras são curiosamente dois conhecidos benfiquistas – Pedro Proença e Duarte Gomes.
Pedro Proença tinha tudo para ser um excelente árbitro, mas a forma como está afectado pelo seu pretenso benfiquismo (pagar cotas de clube não lembra ao Diabo!) prejudica-o, como se viu no desastre em Guimarães, onde teve que despachar meia equipa do Boavista, para Veiga não o chatear!

Serve isto para introduzir a arbitragem de Paraty.
Embora seja impossível não analisar o lance que origina o golo encarnado, penso que os maiores erros verificaram-se ao não assinalar falta grosseira de Nuno Gomes sobre Beto que originou o lance de maior perigo do Benfica, que apenas não deu golo porque Ricardo fez a mancha, e na parcialidade da amostragem de cartões por protestos – os de Beto deram vermelho, os de Simão não deram em nada (o extremo quase entra pelo banco dentro e até Pinilla insulta!), e os de Polga não também não deram (incrivelmente) em nada, quando só faltou dar uma cabeçada em Paraty!

No lance do golo não parece existir falta que provoque o anulamento do lance, mas o que as regras dizem (embora não concorde!), é que havendo contacto dentro da pequena área entre o guarda-redes e um jogador contrário, deverá ser assinalada falta ao atacante. E para mim o contacto existe. E existindo o contacto deveria ter sido marcada infracção.
Pessoalmente prefiro analisar o lance como sendo um lance duvidoso em que árbitro e o fiscal-de-linha, na dúvida (ou não!), preferiram beneficiar quem atacava!

No rescaldo, e como sportinguista, devo dizer que acho que o Sporting fez uma partida pobre, mas dentro daquilo que neste momento lhe é possível.
Já o Benfica é uma equipa pobre e será um campeão sem brilho, sem chama e sem qualidade. Nem todos concordarão, mas é o pior campeão nacional de que tenho memória.

Mesmo assim aqui ficam os meus parabéns pela vitória no derby. E aqui darei os meus parabéns pelo campeonato se for caso disso. E o mesmo se aplicará se o campeão vier a ser o FCPorto.



Amanhã dissertarei sobre a importância de Ricardo e Liedson no Sporting, e sobre a facilidade com que quase todos culpam a(s) unidade(s) pelo todo. Será da mais elementar justiça.

Thursday, May 12, 2005

.
SuperLiga

Jornada 32

FCPenafiel 1 - 0 SLBenfica

Em mais um jogo rumo ao tão desejado título nacional, o Benfica foi mais do mesmo.
Da equipa habitual (excepto ausências!) demasiado previsível, à notória pressão que os jogadores mostram a cada jogada, o Benfica teve em toda a primeira parte uma única jogada de perigo, arrancada de um lance individual de Simão, que continua, mesmo em má forma a ter que levar a equipa às costas!
No segundo tempo, e quando se esperava maior domínio encarnado, apareceu o golo penafidelense. N’Doye, entre 5 adversários teve tempo para receber e bater o desamparado Quim. Logo depois, e com todo o espaço do mundo, Wesley por pouco não matou o jogo.
Até final, o mesmo futebol do costume – muito atabalhoado, e inclinado para as quedas atrás de quedas, à procura de penaltys ou livres directos, mostrando ao País que os jogadores encarnados têm revisto os últimos jogos do próprio Benfica.
O Penafiel, à imagem do que fez em Alvalade, esteve muito bem a defender, e mereceu claramente a vitória, perante um Benfica apagado.

A figura – José Veiga
No final do jogo o ‘gestor’ do futebol encarnado queixou-se de 3 penalties que não terão sido assinalados. Embora não especificasse os lances, pressupõe-se que para Veiga um penalty é – “lance de um jogo de futebol em que esteja uma bola por perto e um jogador do Benfica caia, dentro ou fora da área!”.
E mesmo assim não é fácil chegar ao número 3.

A arbitragem
Pedro Proença é benfiquista – dizem.
A mim parece-me um arbitro satisfatório, o que faz com que sem o conhecer, lhe aponte o benfiquismo como o pior dos seus defeitos.
Ao não assinalar com falta todos as quedas de jogadores encarnados, abriu um precedente de justiça nos jogos do Benfica que lhe poderá ser fatal, a julgar pelas arbitragens de outros seus colegas nos últimos 6 ou 7 jogos, que até no aquecimento estavam de apito na boca para qualquer eventualidade!
A queda artística de Geovanni no primeiro tempo seria óptima para um concurso de ginástica artística – o avançado já vai em voo planado entes mesmo de um eventual contacto, e a fita de Simão, no último lance do jogo, já é habitual. A bola era dividida, e nestes casos, Simão mergulha sempre...
No entanto, Proença teve três erros graves. O primeiro ao não expulsar Mantorras por agressão a Nuno Santos, com a mão esquerda na cara do G.Redes penafidelense (a avaliar pela interpretação da mão de Viana em J.Pereira para a taça de portugal, este lance foi uma bárbara agressão!).
O segundo ao não expulsar Wesley por agressão a Petit – por coincidência Wesley fez de Petit, logo com Petit! O terceiro ao não marcar penalty sobre Mantorras (que já não deveria estar no terreno), num lance igual a tantos outros e que os árbitros teimam em não marcar, seja a quem for e contra quem for! Falta grosseira que ficou impune.


Moreirense 1 – 1 FCPorto

Durante algumas semanas andei convencido que o FCPorto ia vencer o campeonato. Adivinhei a queda do Benfica (sempre acreditei que os árbitros não iriam levar esta palhaçada por muito mais tempo!), e até pensei que o Sporting se iria um pouco mais abaixo.
Mas esqueci-me das insuficiências do próprio FCP. Depois de uma 1ª parte miserável, uma 2ªparte sofrível, com as oportunidades a chegarem depois de Baía salvar o 2ºgolo, e já com 10homens, após expulsão de Quaresma.
Valeu uma infantilidade de João Ricardo para se conseguir o empate, e agora vai ser preciso força para não ver o Braga na Champions.

A figura – Postiga

Esta espécie de Pinigol do Dragão é um óptimo jogador, custe a quem custar. Moralizado é sem dúvidas o melhor ponta de lança português, embora a concorrência de Gomes e Pauleta seja pobre. Mas é o melhor, não duvidem.

A arbitragem
Muito boa escolha a de Bruno Paixão para um jogo decisivo onde o FCPorto tinha interesses. Terá sido provavelmente escolhido a dedo!
A arbitragem foi, como de costume, péssima. Não há árbitro em portugal que erre tanto nas faltas a meio-campo, e os erros nos fora-de-jogo foram uma miséria.
Na expulsão, e como não se conhecem as palavras, fica o penoso benefício da dúvida.
É uma pena.


SportingCP 1 – 0 VitóriaSC


Boa vitória do Sporting em jogo previsivelmente sofrível.
A equipa leonina está de rastos, e os 120 min épicos de Alkmaar só vieram agudizar o problema.
Peseiro, sem 5 pedras importantes fez a rotação possível, deixando de fora mais 3 indiscutíveis, Barbosa, Sá Pinto e Rui Jorge.
Valeu na globalidade o coelho tirado da cartola por Tello, que matou a táctica ultra-defensiva do Vitória que não teve sequer um remate à baliza em 60minutos! Foi pena porque este Vitória, que tinha pouco a perder, não tivesse tentado jogar o jogo pelo jogo, pois tinha capacidade para dar luta a um Sporting diminuído fisicamente.

A figura – Tello
Não fez um grande jogo, mas fez um grande golo. É outro jogador que com confiança não parece o mesmo. O livre directo foi um primor. E de extrema importância.
Há 1 mês pareceria uma afirmação idiota, mas tudo o que o Sporting conseguir esta época terá um dedo chileno! Quem diria...

A arbitragem

Avisado e bem avisado por José Veiga, Benquerença, o único árbitro que desde o inicio do campeonato furou a onda de favorecimentos claros aos encarnados e os prejudicou seriamente frente ao FCPorto, fez pela vida.
O penalty sobre Liedson é claro (até Palatsi percebeu!), o lance sobre Barbosa parece começar fora da área, mas é nas suas barbas e nem falta marca, e o facto de Cléber, que cometeu duas agressões claras ter chegado ao fim do jogo é um mistério!
O amarelo a Liedson é um caso de patriotismo exacerbado, que visa poupar o brasileiro a todo o custo para a final da Uefa.
Ainda bem que Pedro Proença não se lembrou de amarelar Simão no arrufo final com 2 adversários que até empurrões e encostos de cabeça meteu, só para o poupar para o jogo do Bessa, caso contrário o derby do próximo sábado ficaria sem os seus principais artistas!

Monday, May 09, 2005

.
AZ Alkmaar 3 -2 SportingCP (a.p.)

Foi uma noite memorável, a da passada 5ªfeira em Alkmaar.

Foi difícil de ver, foi de sofrimento (acho que nem me lembro de estar tão desiludido a ver um jogo…), mas foi de uma alegria final incrível.

Tenho de confessar que, embora tivesse acreditado sempre que o Sporting ia passar, principalmente no início do prolongamento, ao pressentir que os holandeses tinham perdido o gás, depois do canto a favor dos holandeses, ao minuto 119, perdi a crença.
Mas logo depois, aquando do golo de Garcia, nem sei exprimir o que senti. Não queria acreditar que tinha sido golo. Estive uns segundos a olhar pasmado, à espera que fosse marcada falta, mão, infracção de Ricardo ou outra coisa qualquer, mas não, era mesmo golo! Explodi. Apenas explodi.
Foi tudo tão rápido que a emoção veio apenas no final do jogo…
Mais tarde, ao ouvir as repetições dos relatos da Antena1 e da TSF, a emoção voltava. Os festejos na rua, nos quais participei muito ao de leve, foram a confirmação de que os adeptos foram levados ao limite.

O jogo
O Sporting entrou muito mal no jogo. Desconcentrado, não conseguiu impedir o domínio do adversário, e sofreu o primeiro golo. A partir dos 10 min passoua dominar o jogo, mas só a sorte (bola ao poste aos 10 min!) e a perícia de Ricardo (2 grandes defesas ainda na primeira parte!) evitaram males maiores.
No ataque só Liedson remava contra a maré. 3 lances individuais de grande classe (é uma estrela este empacotador brasileiro!) não deram golo por infortúnio. E como o destino estava traçado, seria o levezinho a resolver em cima do final do primeiro tempo.
Na segunda parte o Sporting entrou a dominar, mas sem conseguir marcar. Adivinhava-se o assédio final dos holandeses, mas antes disso, um mau passe de Roca, e um proibitivo contra-ataque, deu golo! Ricardo ainda adiou o inevitável, mas um ressalto em Polga colocou a bola à mercê do avançado holandês.
E ainda faltavam 15min. Foi difícil, voltou a aparecer Ricardo, em defesa notável a livre directo, e alguma sorte à mistura, até chegar o prolongamento.
No prolongamento o Sporting dominou (Barbosa e Tello foram preponderantes), mas no primeiro remate o AZ marcou.
Era agora preciso pedir aos leões, quase todos de rastos, um esforço extra. E ele chegou da cabeça miraculoda de Garcia, com a ajuda do pé esquerdo de Tello (a imitar o célebre Morais!).
E o dia 18 está já aí…


Saudações leoninas!

Tuesday, May 03, 2005

.
SuperLiga

SLBenfica 1 - 0 Belenenses

Mais um jogo rumo à consagração final!
Há pouco a dizer sobre os jogos do Benfica. São cópias fiéis, uns dos outros. A grande questão anda normalmente à volta do local onde são marcadas as faltas fantasma. Desta vez foram dentro da área, noutros jogos têm sido em frente à área, e noutros nas alas.
A ver vamos as surpresas que nos reserva o jogo em Penafiel.

Arbitragem
Mário Mendes ficará na história deste título encarnado (e do País!) como o árbitro que ousou não marcar uma grande penalidade em lance polémico de agarrão de Neca sobre N.Gomes! Inexplicável. Só um momento de loucura justifica que se perca tamanha oportunidade!
Depois foi um ver se te avias! O normal jogo do empurra não se estranhou. Desta vez a táctica não passou por dizimar o adversário, mas pela marcação de um penalty caricato! E depois um fechar de olhos na área oposta, não fosse o Diabo tecê-las...
Esta arbitragem esteve claramente abaixo das de Hélio Santos, António Costa ou João Ferreira, mas o que conta são os 3 pontos que ficaram em casa. Essa é que é essa.

FCPorto 1 – 0 Marítimo

Grande vitória de Couceiro.
Pode gostar-se muito ou pouoc de estilo, podem até começar já a elogiar Adrieense, mas esta vitória ninguém a tira a Couceiro.
Depois do discurso da tanga das 11finais, que deu em derrotas atrás de derrotas, eis que Couceiro começou a queixar-se das arbitragens, sem descanso! Nas últimas 37 intervenções Couceiro falou das arbitragens dos jogos do FCPorto 36 vezes. A excepção serviu para falar das dos jogos do Benfica.
O resultado está à vista. O FCPorto voltou a ganhar aos madeirenses com um fora-de-jogo escandaloso, quase tanto como o do Fabuloso na Madeira!
Não fosse o equívoco no golo mal anulado a Deigo, e a arbitragem teria sido perfeita. Houve expulsões e penalties ´à benfica´ como Couceiro vinha exigindo!


SCBraga 0 – 3 SportingCP

O Presidente pediu e o Sporting venceu justamente em Braga.
O Sporting fez o que toda a época prometeu, e venceu o campeonato do futebol de qualidade. O resto já está prometido a outros.
Desengane-se quem pense que o jogo foi fácil. O Braga deu muita luta até ao primeiro golo, e mostrou que merecia amplamente o 2º lugar nesta SuperLiga. Agora até o 3º será muito difícil.
Depois do primeiro golo (made in Chile!), o Sporeting partiu para um meia-hora de grande nível, e o Braga morreu.
Justo.

Arbitragem
Honestamente, e mesmo que todos os jornais ‘adorem’ o ‘deixa jogar’ de Pedro Henriques, para mim, o que é demais é exagero!
Fica-me na retina as faltíssimas de M.Garcia (nem sequer amarelo), de Barroso (nem sequer amarelo) e a sequência de faltas por assinalar no meio-campo.
Nos lances capitais, existe claro agarrão de Tello sobre Wender (só a teatrilização pode dar o benefício da dúvida a PH) e claro empurrão sobre Pinilla (PH estava muito longe!). E se o lance sobre Pinilla pouca influência teve no resultado, o lance sobre Wender poderia ter dado outro rumo ao jogo, mas às várias faltíssimas que ficaram por marcar, é natural que Phenriques não marque penalties para ninguém.
Acho que Henriques é um exagero.


VitóriaSC 2 – 1 Penafiel

Não vi o jogo com muita atenção (estava no ginásio), mas saltou-me à vista os erros atrás de erros do árbitro. A entrada de dois jogadores vimaranenses sobre Clayton até arrepia!!! Mas se olharmos ao nome do árbitro, à família, ao que faz o pai, a quem é o irmão, ou até mesmo o padrinho... chegamos aquilo que é realmente a arbitragem em Portugal.